quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Inveja

Senti nos últimos dois dias uma inveja gigante.
Ao ler um livro que mais adiante vos direi o nome, os meus pensamentos foram invejosos, dava tudo para ter sido eu a escrever aquilo!

Numa linguagem fácil, com uma clarividência invejável, Amos Oz fala-nos de fanatismo, de compromissos e do conflito Israelo-Árabe de uma forma notável, pela sua simplicidade mas acima de tudo pela sua clarividência e profundo conhecimento da Condição Humana.

Sendo eu uma criatura de consensos, acreditando na racionalidade como forma de resolução de problemas, e apaixonada pelo humor e pela imaginação, fiquei muito satisfeita com a comunhão de ideias que senti ao ler este senhor.

Falando de fanatismo, e só para aguçar a curiosidade:

"A essência do fanatismo reside no desejo de obrigar os outros a mudar. Nessa tendência tão comum de melhorar o vizinho, corrigir a esposa, de fazer o filho engenheiro ou endireitar o irmão, em vez de deixá-los ser. O fanático é uma das mais generosas criaturas. O fanático é um grande altruísta. Está mais interessado nos outros do que em si próprio. Quer salvar a nossa alma, redimir-nos. Livrar-nos do pecado, do erro, do tabaco, da nossa fé ou da nossa carência de fé."

Não vou transcrever as três conferências que estão compiladas num livrito pequenino que se chama "contra o fanatismo", mas leiam que vale a pena.

Espero gostem e comentem.

5 comentários:

S. disse...

Achei fantástico. Que bem visto, que clareza de observação! Até te entendo um pouco a inveja, mas ao escrever perderias o privilégio de te ser exposto o assunto desta maneira e de sentir aquele "ah!" especial da descoberta certeira. Ou não? :)

Nice to read U again

José Ruah disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Ruah disse...

Ja me fazia falta ler-te !

E depois é que nem de proposito estou neste momento a terminar " A caixa preta" do Amos OZ. Livro em que de certa forma este assunto do fanatismo é tambem abordado, embora à escala pessoal e no relato de uma historia de familia.

Escrito de forma interessante - Romance Epistolar .

Esta forma de escrita é algo em que penso ha uns anos e inclusivamente cheguei a compilar a correspondencia trocada durante algum tempo. Quem sabe um dia quando for mais velho purgue essa correspondencia e escreva uns quantos contos.

Até lá vou lendo, livros entenda-se.

C.M. disse...

Olá S.
É mesmo essa clareza de observação que eu invejo, mas sim, fico contente com a descoberta:)

josé

Lê este, vale a pena.
Fiquei com vontade de ler mais coisas do senhor Oz,vou aceitar a tua sugestão.
E, não esperes por ser velho para escrever os contos:)

José Ruah disse...

Eu até te emprestava o livro, mas o que tenho está assinado pelo autor e nesses casos ....

Vou procurar esse numa livraria perto de ....

Quanto a escrever, veremos. Talvez comece na forma de blog e se conseguisse convencer a outra parte a escrever os contos em dialogo isso seria fantastico.